Escrito por Valter Junior.

Converse com você!

Não sei quando comecei esse hábito de conversar comigo mesmo. Deve ter sido na infância, pois me lembro de minha mãe dizendo que eu ficava falando sozinho. Mas como poderia ser diferente, pra conversar comigo eu não precisava de mais ninguém. Assim, quando batia longos papos comigo mesmo, os observadores mais desavisados achavam que eu falava sozinho.


Longe de ser uma prática doentia ou sinalizadora de algum problema, conversar consigo mesmo em um tempo de solitude é uma prática muito boa e saudável. . É se ouvir, pensar e repensar as coisas da alma e coração. É dizer não as muitas vozes que nos chamam a fugir de um enfrentamento do que é precioso para a alma. Essas vozes tem tanto poder, que mesmo sem refletir, fugimos do silêncio e da quietude ligando uma televisão, rádio ou computador para nos distrairmos. Assim vai ganhando poder a cada dia a indústria do entretenimento dizendo a todo tempo com sua forma de agir: - Não dê atenção ao que doe, venha sentir prazer com o que lhe ofereço. Pra que tratar feridas, o tempo cuidará delas.

Veja o que escreveu o salmista:

"Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas em mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei pela salvação da sua face. O meu Deus, dentro de mim a minha alma está abatida; por isso lembro-me de ti desde a terra do Jordão, e desde os hermonitas, desde o pequeno monte." Salmo 42:5 e 6.

Com quem o salmista conversa?

O que ele diz a sua própria alma?

O que ele diz a Deus sobre sua própria alma?

Por esses dias tenho conversado comigo sobre o fato de que de dois anos pra cá, só aparece uma data no meu calendário, todas as demais se apagaram. Existe um círculo vermelho em torno do dia 10 de junho. Foi na madrugada desse dia que minha florzinha amarela foi colhida por Deus. E lá foi ela embelezar o jardim de Deus.

Olho pra essa data como um dia que se reveste de sacralidade. Glaucia que veio do Pai, para ele voltou nessa data. Além disso, posto que achava que morreria em questão de pouco tempo com a partida dela, a cada dia 10 de junho, me surpreendo com o fato de que ainda estou vivo e vivendo. Vida pra mim vai muito além de um coração batendo. Viver é ver pulsar o coração junto com o coração do Pai do céu. O tempo vai passando e já são dois anos sem ela mas não sem Ele. Por isso tem sido possível viver.

Pra mim o segredo da vida em todo o tempo é viver em comunhão com o Deus de toda a vida, o servindo por meio do serviço ao próximo. Toda vez que me vejo servindo a Deus, me percebo servindo ao próximo, mesmo quando estou cuidando de mim mesmo, pois como servir alguém se eu não estiver bem pra isso?

Por esse motivo tenho conversado comigo. Ao conversar tenho em minhas mãos uma caneta marca texto. Quero comigo mesmo marcar outras datas na folhinha. Não está sendo fácil.

Reconheço enquanto escrevo que outras duas datas ainda aparecem marcadas de amarelo. São as datas de aniversário de Jane e Vitor. Já é um excelente começo.

Orem por nós, ou melhor, por mim.

E que Deus lhe conceda bons e curativos papos com você mesmo na presença Dele.

Valter Jr.

11 de junho de 2011